Translate This Page

segunda-feira, 7 de maio de 2012

A colheita

Certo dia, Jesus deixou a Judéia e, e foi outra vez a Galiléia. Era necessário passar pela cidade de Samaria, uma região montanhosa pertencente ao antigo Reino de Israel e rival do reino de Judá. Ao descansar junto a uma fonte de água, encontrou uma mulher samaritana, com quem iniciou uma conversa. A mulher ficou surpresa, pois judeus e samaritanos raramente trocavam palavras. Foi então que Jesus disse-lhe:


 “Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna”.

A mulher ficou tão encantada com as palavras de Jesus que esqueceu a sede, deixando o cântaro perto do poço, e correu para relatar ao seu povo o que Deus tinha feito em seu coração. Logo os discípulos chegaram e estavam preocupados, pois Jesus não tinha se alimentado naquele dia.  Pediram que seu mestre que comesse, porém este respondeu:


“A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra.”

Tal como dormir e descansar, comer é uma necessidade diária de qualquer ser humano. A primeira vista Jesus estaria negando essa necessidade, mas, após uma análise mais aprofundada das escrituras, percebemos que Ele tinha fome e sede como qualquer pessoa e isto restou comprovado quando passou quarenta dias no deserto sob forte tentação para comer e beber.

O que podemos perceber neste texto é a relativização da importância de água e comida para Jesus. Os seus discípulos estavam bastante preocupados em suprir suas necessidades biológicas, mas o foco de Jesus naquele momento era expandir a boa nova a outros reinos e assim o fez ao encontrar a mulher samaritana perto da fonte de água.

Os seus discípulos estavam vendo o mundo apenas na matéria, mas Jesus estava falando de algo muito mais importante.  Ele nos mostra que, além da comida material, também devemos alimentar nosso espírito com a palavra e a presença de Deus em nossa vida. Essa era a sua mais deliciosa e nutritiva comida. Jesus tinha convicção da sua missão (fazer a vontade do Pai) e de sua visão (concluir a obra a Ele confiada).

Jesus tinha uma missão na terra e nós também temos a nossa. Nós fomos chamados pra falar da boa nova, nós fomos chamados para mostrar para o mundo que há esperança e ajudar àqueles que estão necessitados. Ao imitarmos Jesus, transcendemos uma existência meramente humana e encontrarmos a razão de um novo coração constituído através do espírito santo que nos dá vida. Mas será que vamos olhar para o dia de amanha como sendo uma etapa inconclusa de nossa missão na terra? Há uma obra a ser concluída e você é participante deste processo. Para completarmos nossa missão, não precisamos ser teólogos, pastores ou padres. Talvez não conheçamos nada ou quase nada das escrituras, mas o Deus que a escreveu mora dentro de você. Há pessoas que precisam ouvir urgentemente as maravilhas que Deus fez em nossa vida e até mesmo seu breve testemunho de conversão.

O reino de Deus é uma parceria maravilhosa. Alegra-se quem semeia e alegra-se quem colhe. Talvez você não colha o que está plantando, talvez não seja você que vá colher. Não se preocupe com a colheita, preocupe-se apenas com o semear. Certo dia, um missionário e sua mulher, que estava grávida, foi ministrar a palavra a uma tribo de índios muito ferozes. Após alguns dias, um índio atacou e  matou o missionário. Diferentemente do esperado, sua esposa não desistiu, continuo firme na aldeia a ensinar o evangelho aos ferozes índios. Seu filho nasceu, cresceu e foi batizado. Mas por quem? Por aquele índio que havia matado seu marido, que se converteu e se tornou o líder espiritual daquele povo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário